Meu ambiente de trabalho em 7 itens

Aloha pessoal gente boa,

Este post é para continuar o MEME que começou com um cara que teve uma idéia bacana e repassou para “um lugar onde as pessoas eram loucas … e super taradas … um lugar do car*lho”. :) Fui convidado/convocado pelos amigo-sócio-futuro-papai-babão Paulo Jeveaux (@jeveaux) e amigo-recurso-pato-no-SFIV-novo-railer Almir M3nd3s (@m3nd3s).

1) Macbook Pro + Mac OS

O único notebook que tive na vida antes dos meus Macs foi um HP Pavillion ZV6000 que me deu uma dosalgia sinistra. Sempre fui um entusiasta de gravação caseira (gravei algumas demos para bandas de metal de alguns amigos) e sempre tinha optador por PCs desktop com placas de som, bastante RAM e HD. Meu contato com o Mac surgiu quando comecei a trabalhar mais frenéticamente em home office e trampava com o @jeveaux para uma empresa paulista. Utilizávamos o Net-argh-beans e havia um processo que ele disparava de indexação do projeto que demorava até horas pra concluir. Precisava desesperadamente de processamento e mobilidade: comprei um Macbook branco. :)

O Macbook durou bastante, mas precisava de mais memória e processamento. Abrimos a Giran e decidimos comprar pra gente dois Macbooks Pro. :) Daí pra frente, foi só alegria.

O Macbook Pro é um puta computador em todos os sentidos, com um ótimo processamento, uma tela com imagem perfeita e um trackpad que posso afirmar ser o melhor trackpad do mercado para quem trabalha o dia inteiro no computador. Quando falam que o valor de um Mac é proibitivo, eu penso: é sua ferramenta de trabalho e daí que vai sair seu ganha-pão. Imagine aquele loading de 2 segundos inúmeras vezes durante sua vida? Hoje eu não tenho ele mais. :D

2) Giran (minha empresa, meu lar)

“Como o @jeveaux” falou, a Giran hoje é a minha razão de ser/estar, inicio-meio-fim do tesão que tenho para trabalhar e é sim um item de trabalho indispensável de ser comentado. Como item de trabalho, a Giran é como uma caixa de ferramentas com vários subitens que fazem meu trabalho render (e as vezes procrastinar um pouco, é verdade):

  • um time de pessoas insanas e taradas no que fazem
  • café, refri, cerveja, xbox e um monte de coisas legais
  • um ambiente confortável pra trabalhar
  • as piadas sem graça e tiradas nerds (em especial do @franciscosouza e @makotovh)

Não tem como hoje eu dissociar meu ambiente de trabalho disso. Também acho que se sua empresa não é um item de trabalho que te dá diferencial ou se torna algo indispensável pra você, você deve estar triste e incompleto e poderia numa certo momento procurar um lugar mais legal pra ser feliz. (risos)

3) GTD + Pomodoros + caderninho

Esse item hoje é um dos responsáveis por muita coisa no meu trabalho (e na minha vida) terem melhorado em qualidade e efetividade. Quando se fala pras pessoas sobre a caixa de tempo e controle do seu dia com Pomodoros e controle de tarefas (e hábitos de vida para se organizar melhor) com o GTD muita gente acha que é papo de auto-ajuda ou mesmo mais um daqueles métodos que consideram que você já deve ter nascido assim para as coisas darem certo.

Rapidamente, o GTD (Get Things Done) é um método para ajudar você a organizar suas tarefas num todo e a Pomodoro Technique é uma técnica que basicamente lhe diz pra dividir seu tempo em ciclos de 25 min, onde entre eles você DEVE descansar ou algo do tipo por 5 min.

Hoje, todo dia pela manhã marco os pomodoros que vou concluir para as tarefas da Giran e tarefas do meu Things (programa pra Mac fantástico para quem segue o GTD) para ligações, e-mails e coisas do tipo que antes eu deixava passar batido: deixei de pagar muita multa de conta e esquecer de mandar e-mails com 15 min toda manhã pra me organizar.

Tudo isso eu faço no caderninho, que já teve várias encarnações: bloco da empresa-que-o-email-só-funciona-quando-quer-e-vive-em-expansão-de-estrutura, bloco de folhas avulsas, folhas A4 e agora agenda. :) O que importa é você ter um meio onde rabiscar, apagar, desenhar ou o que for pra sentar onde quiser com um lápis e um café. :)

Vale a pena tentar conhecer. ;)

4) Textmate

Sempre usei IDEs pesadas e cheias de putarias na época que desenvolvia em PHP. Isso me deixou um pouco “burro e preguiçoso”, porque as IDEs não promoviam uma concentração e prazer em simplesmente codar, mas de aprender a usar a IDE, conviver com aquele monte de botões espalhados pela tela e coisas do tipo.

O Textmate no início foi tenso mas com alguns dias se nota o quanto de produtividade ele te dá. Os bundles (comandos, code-completion, snippets e padrões de cor) para várias linguagens que ele te dá são uma mão na roda e ainda são customizáveis. Tudo isso se junta à uma interface que vai direto ao ponto e um ambiente muito leve de ser rodado.

Fico sacaneando os caras que usam o (Mac|G)Vim por ter que digitar 50 comandos pra inserir uma linha, mas a verdade é que IDE é um lance muito pessoal: e com certeza hoje o Textmate é o melhor pra trabalhar.

5) Git + Github

É certo afirmar que o Git mudou minha vida como desenvolvedor. Trabalhei por muito tempo com backups normais, SVNs e coisas do tipo, mas nada chegou perto do Git. Utilizar o Git, para quem não conhece, é muito mais que usar apenas uma ferramenta de versionamento.

Trabalhar com o GIT é uma imersão de como codar simples, comitar aos poucos, trabalhar em time, dar atenção à cada pequeno código, aos comentários sobre o que você fez e muito mais. Desde que comecei a trabalhar com o Git, meus códigos melhoraram exatamente quando comecei a commitar mais, pouco a pouco. :)

O que turbina a experiência é utilizar o Github, um serviço online assustadoramente bom que permite visualizar seus repositórios, gerenciar usuários e permissões de acesso à eles, gráficos e facilidade de toda qualidade para gregos e troianos. Acho que foi um dos serviços online do gênero que hoje não tem como viver sem. :)

6) Google

É impossível hoje trabalhar sem o Google. São buscas para resolver problemas de programação, de gestão, de depressão e chatice (para dar umas boas risadas). Como gestores de empresas e projetos, eu e o @jeveaux nunca respondemos tantos e-mails e enviamos tantas propostas quanto nesses últimos-quase dois anos: o Gmail tem sido nosso companheiro de todos e dias e quase todas as horas.

Nosso domínio hoje está no Google Apps: qual melhor lugar pra botar nosso dominio e e-mails que no próprio Google? Se ele cair, não vou me preocupar porque provavelmente a internet do planeta inteiro vai estar reclamando. Ahe uhaEUAE AE :)

Migramos o site da Giran para o GoogleAppEngine: não gostamos muito da estabilidade do serviço, mas tenho certeza que isso vai melhorar muito em breve. :)

7) Agilidade = XP + SCRUM + Rails (com um pouco de PHP, Java e Python)

Para finalizar, desde que abrimos a Giran temos trabalhado extensivamente com tudo o que achávamos ser legal e que não deixavam a gente fazer. Começar a trabalhar com Scrum foi uma dessas coisas e estamos usamos sempre em todos os projetos, de nossa maneira e aparando arestas: afinal, o Scrum tem que ser flexivel o bastante pra ajudar e não atrapalhar. Mesmo com o hype/buzz que se fez em cima, continuamos usando e sendo felizes utilizando Scrum e boa parte das práticas XP, principalmente o pair-programming que vem tendo resultados surpreendentes a cada dia.

Junto disso, migramos para o Rails todos os novos projetos. Junto disso veio uma carga de aprendizado e produtividade que nem em nossos melhores prospectos esperávamos ser tão bom. Foi um #win que estamos trabalho para virar possivelmente um dos maiores #epicwin.

Quando se muda, não se muda apenas com o que se trabalha mas como se trabalha: o Rails compele você a trabalhar da forma correta com testes e trás consigo toda uma consciência e forma de se trabalhar que com poucas semanas já mostra resultados bacanas e sustentáveis.

Mas ainda gosto de PHP, Java e ficando cada mais empolgado com as possibilidade do Python. :)

That’s all folks …

Algumas coisas que poderia citar também como itens indispensáveis de trabalho é o iPhone (que me deu mobilidade e agilidade para responder e-mails de onde estiver fácil), meu monitor gigante/magic-mouse/teclado-wireless (que me trouxe mais produtividade) e o Redmine (que ajudou a gente a controlar bem os projetos e o que os recursos meninos andam fazendo) e outras coisas … mas tá valendo.

Como o @m3nd3s e como o @jeveaux ja colocaram a galera do time toda, vou estender o convite à outras três pessoas:

Simbora! :)

PHPzeiro? Adote um Framework! :)

É notável a quantidade de aplicações em PHP que ainda utilizam nosso velho e conhecido modo Macarrônico de programar: dezenas de snippets e blocos de código que trabalham com regras de negócio, apresentação e tudo mais espalhados por N lugares na aplicação.

O PHP Macarrônico é assim

O PHP Macarrônico é assim

Esse método é justificável dentro da PHP até certo ponto: a própria linguagem tem por princípio a simplicidade e velocidade na codificação e resolução de problemas. O próprio Rasmus Lerdorf, criador do PHP, já se mostrou bem contrário aos frameworks atuais pois eles são lentos e não escaláveis, culpa do feeling de  “faz-tudo” que a maioria delas leva no sentido de continuar ostentando a bandeira de “desenvolvimento rápido” da PHP, que muita gente confunde com gambiarras e que transformou a PHP em sinônimo de POG (Programação Orientada à Gambiarras).

Continue…

Testando themes … o poder do WP!

Aloha pessoal,

Em terra de cego quem tem um olho é rei já dizia o velho e sábio provérbio popular. Dizer hoje que o WordPress nesse mundo cego (ou miope) tem dois olhos, e enxerga muito bem obrigado, é chover no molhado.

Dos pluguins as facilidades de edição voltadas para blogs, o WP hoje se tornou uma referência e tanto para sistemas de blogs e, porque não, de gerenciamento de conteúdo. A parte engraçada disso tudo é o pessoal até pouco tempo avesso a programação fazendo suas “personalizações” nos arquivos do WP para ficar com aquela cara que o dono, por vezes designer ou até mesmo entusiasta, gostaria de dar a ele.

Em época de configurações mil na maioria das ferramentas, o WP convive com hard coders e designers “script kiddies” de forma serena e tranquila. E porque não também em pequenos hotsites, sites institucionais e afins?

A idéia ja é usada sim por algumas empresas por ai, mas o fato é que muitas ainda não exergaram ou não fazem questão de enxergar o poder que o WP disponibiliza para a produção do que poderia representar o arroz-com-feijão de muitas agência, com um sistema de gerenciamamento simples e obviamente testado e aprovado pelos milhares de usuários desde sistema.

Afinal, por que não ? :)