Humanized Daily Scrum

Uma das mais efetivas e cruciais ferramentas de comunicação numa equipe ágil é certamente a Daily Scrum (conhecida também como Stand Up Meeting no XP).

Esse evento é uma reunião em pé de curto espaço de tempo (pelo Scrum Guide, 15 min) com todo o time com o objetivo de compartilhar informações sobre o projeto, inspecionar o progresso do time em direção ao objetivo da Sprint (ou do objetivo do time em geral) e identificar possíveis problemas que possam comprometer esse objetivo.

Para tanto, todos os membros do time devem responder à três perguntas objetivas.

  • O que eu fiz ontem que ajudou o Time de Desenvolvimento a atender a meta da Sprint?
  • O que eu farei hoje para ajudar o Time de Desenvolvimento atender a meta da Sprint?
  • Eu vejo algum obstáculo que impeça a mim ou o Time de Desenvolvimento no atendimento da meta da Sprint?

O objetivo e benefícios são muito delineados no Scrum Guide que diz “Reuniões Diárias melhoram as comunicações, eliminam outras reuniões, identificam e removem impedimentos para o desenvolvimento, destacam e promovem rápidas tomadas de decisão, e melhoram o nível de conhecimento do Time de Desenvolvimento. Esta é uma reunião chave para inspeção e adaptação.”.

Meu ponto é que esse evento, na sua mais pura aplicação direta do conceito, não contempla nem permite dar atenção a um componente chave para o sucesso de projetos ágeis: o ser humano ali envolvido.

Não se chega, obviamente, a um Fayolismo da prática da Iniciativa, mas ao deixar-se de lado a preocupação com o membro “ser humano” em detrimento do membro “desenvolvedor do trabalho” acabamos por negligenciar o aspecto da atenção e empatia que é favorecida, sim, pela adoção do mindset ágil mas que se não for praticada e doutrinada diariamente tende a se tornar algo efêmero, opaco, sem real importância.

Acredito que é nessa preocupação genuína e na empatia que se fazem crescer o grandes laços de confiança, essenciais para que o time ágil consiga trabalhar no seu máximo potencial de trabalho como time. Um grupo preocupado genuinamente com seus pares é capaz de atingir patamares superiores de excelência.

Laços de confiança se criam com encontros, entendimento mútuo e respeito.

Não existem obstáculos até que você tropece neles ou alguém te avise

Um ponto chave que corrobora com isso é a resposta ao esclarecimento “Eu vejo algum obstáculo que impeça a mim ou o Time de Desenvolvimento no atendimento da meta da Sprint?“. Apesar de parecer certo que os membros do time vão se encontrar após da Daily Scrum para “para discussões detalhadas, ou para adaptar, ou re-planejar, o restante do trabalho da Sprint” isso nem sempre acontece de forma natural ou nem sempre de uma forma realmente efetiva.

Nem sempre natural pois as pessoas, por mais que sejam parte de um time, sem um laço real de confiança tendem a fazer esses procedimentos no automático, formalizando algo que deveria ser na verdade uma troca de preocupações com o trabalho do par praticando sua empatia. Nem sempre efetiva, pois por mais que o time esteja afim de ajudar, a pessoa pode não estar no melhor dos seus dias, prejudicando não apenas o relato/esclarecimento mas também participando da melhor forma possível na resolução do obstáculo.

Se a pessoa não confia de verdade nos pares do seu time é grande a possibilidade dele não expor verdadeiramente um problema, seja ele técnico, seja ele de relacionamento e qualquer obstáculo que não consegue se medir no código.

A Daily Scrum Humanizada

Depois de muitas Daily Scrums comecei a rodar com um dos meus times uma versão que chamei de Humanized Daily Scrum. O objetivo dela não é apenas inspecionar e adaptar o time ao goal da Sprint. O objetivo dela é também inspecionar e fazer o time adaptar-se a ele mesmo.

Olhando sob essa perspectiva, permitimos que o time entenda que os obstáculos para atingir o objetivo da Sprint não são apenas técnicos mas também humanos. O time passa então a encarar-se, do ponto de vista humano, como uma parte que deve ser levada em conta para atingir o goal.

Para atingir esse objetivo, mudei fundamentalmente os esclarecimentos com 4 perguntas.

  1. Como eu estou me sentindo hoje?
  2. O que eu estou fazendo para ajudar o Time de Desenvolvimento atender a meta da Sprint?
  3. Eu vejo algum obstáculo que impeça a mim ou o Time de Desenvolvimento no atendimento da meta da Sprint?
  4. Quem eu acho que pode me ajudar?

O objetivo e benefícios dessas perguntas são os mesmos da Daily Scrum mas adicionando a inspeção ao fator humano e a tentativa de criar e fortalecer laços de confiança entre os membros do time.

Como eu estou me sentindo hoje?

A oportunidade de permitir que a pessoa diga como ela está se sentindo antes de começar dizer qualquer coisa traz efeitos importantes no momento de uma inspeção. Quando falamos pra outra pessoa como estamos nos sentindo, tendemos a criar no outro um sentimento de empatia. Esse sentimento de empatia pode ser revelador e guiador.

“Estou num dia ruim” pode traduzir em um segundo tudo que se passou no dia anterior e o que vai se passar durante o dia. Pessoas em seus dias ruins (seja de tristeza, seja de revolta) tendem a não produzir ou não se integrarem bem num time sinérgico, na programação em par e até mesmo sozinho, imerso em seus próprios problemas.

Ações, comportamentos e cobranças que normalmente seriam efetivas ou normais no dia-a-dia do time podem ser uma tempestade para uma pessoas num dia ruim.

O objetivo dessa pergunta não é obrigar o time à compadecer-se, sentir pena ou relevar erros na execução do trabalho da pessoa. A principal preocupação com essa pergunta é permitir que o time se adapte à pessoa para que o caos não se alastre, provocando uma série de efeitos colaterais no time que pode ser até certo ponto irreversíveis do ponto de vista do relacionamento humano.

Como o time tem que se comportar quando a pessoa está num dia ruim? Conhecer o estado emocional da pessoa é importante para permitir que o time consiga se adaptar a ela. Devo falar mais calmamente? Devo relevar excessos ou picos de raiva? Se você sabe onde pisa, sabe se pode correr ou caminhar (as vezes até parar).

Quem eu acho que pode me ajudar?

As pessoas nos times nem sempre sabem o quanto elas são importantes ou o quanto representam para as outras pessoas do time. Seja devido à presença de pessoas mais experientes, seja por não se achar capaz o suficiente para ajudar em algo além dos limites da sua auto-projetada competência ou até mesmo pelo medo de se expor tecnica ou comportamentalmente, algumas vezes as pessoas ajudam na remoção do obstáculo por formalidade.

E se ao invés de esperar ajuda, as pessoas pedissem ajuda?

Essa pergunta trabalha muitos fatores comportamentais ao mesmo tempo. Se por um lado pode transparecer humildade quando uma pessoa mais experiente pede ajuda para uma pessoa mais nova, pode também traduzir-se em reconhecimento ou respeito em ambos os casos.

Na outra ponta, o reconhecimento da capacidade de poder ajudar em algo ou alguém é recompensador. Estamos falando aqui de reconhecimento real, não aquele do tapinha nas costas. Se cria um build de confiança, amizade que pode progredir pra a descoberta de uma nova sinergia, de uma admiração mutua que pode perdurar e render frutos impensáveis se a espera pela ajuda do outro fosse uma formalidade ao invés de um pedido sincero e pessoal.

Adapte-se

Essa necessidade nasceu de muita observação e leituras sobre o mindset Ágil, a forma como ela é feita hoje e os métodos/frameworks que temos. Seja o Scrum, XP ou qualquer outra forma de gerir o time, não se deve perder de vista que o principal para qualquer time funcionar (seja ele ágil ou não) é o respeito, confiança e admiração mútua entre os membros do time.

Espero que esse formato ajude ou gere insights positivos em relação a esse evento.

Hey ho.