Review sobre #devincachu: interior do ES bombando!

Aloha!

Aconteceu ontem em Cachoeiro de Itapemirim, de onte estou blogando nesse momento, a primeira edição do Dev In Cachu: um evento que tinha o seguinte objetivo:

reunir desenvolvedores para compartilhar conhecimentos, experiências e novidades, visando assim fomentar a área de desenvolvimento de sotware no sul do Espírito Santo.

Tinha, nesse tempo verbal, porque o evento foi MUITO mais que simplesmente um evento para compartilhar conhecimentos, experiências e coisas do tipo. O Dev In Cachu foi um divisor de águas no que podemos considerar a consolidação de Cachoeiro do Itapemirim como um novo lugar onde as pessoas realmente gostam e correm atrás de tecnologia.

Embora o foco de qualquer evento seja simplesmente o aprendizado e fundamentalmente o networking, alguns eventos tem algumas manifestações além-evento que o tornam de certa forma especial. O que encontramos neste evento foi um ambiente muito bacana que propiciava não apenas iteração e conteúdo relevante, como idéias e discussões e tudo mais.

Ahhh sim, isso é um review. :)

O lugar onde foi realizado o evento foi a Faculdade São Camilo, muito bem escolhido. Além de um auditório com estrutura invejável, que dava uma visão muito boa de qualquer lugar onde você estivesse, ele fica do lado de um Shopping! Nunca foi tão fácil fazer o translado evento -> almoço -> evento. A disposição das coisas, como mesa de cafézinho e o coffee break, ficaram muito bacanas também. Acho que na próxima seria legal fazer ilhas de coffee break para evitar o efeito “bloqueante” de um monte de gente querendo pegar algo.

As palestras foram um deleite a parte. Apresentei com o meu brother Jeveaux (@jeveaux) uma palestra que tinhamos feito no ano passado, mas com um conteúdo atualizado, sobre nossa experiência de 2 anos de Giran. Falamos sobre o início de tudo e como estamos trabalhando desde então, errando e acertando. Fiquei surpreendido como as pessoas tinham perguntas relevantes e contextuais sobre a palestra.

A parte da manhã foi praticamente voltada para empreendedorismo e condução de projetos. O Denis Ferrari mandou bem na palestra “Como errar em desenvolvimento de software”, falando sobre as dificuldades em desenvolver um projeto de software. Depois rolou a palestra, que na minha opinião foi a mais enérgica e bacana do evento, do Henrique Bastos (@henriquebastos). Com o título de “Quer aprender a programar? pergunte-me como”, tivemos uma verdadeira aula motivacional e de coisas que rodeiam a gente. Palestras do tipo são sempre muito bacanas, mas essa foi especial.

Depois do almoço tivemos coisas mais técnicas. :)

O Fabrício Barros, da São Camilo, “viajou” falando de urban sensing, onde falou sobre a questão de uso de sensores em dispositivos para coleta e processamento para diversos fins afim de criar uma experiência de rede social relevante. Foi uma palestra bacana que condensou muito das teorias que são aplicadas hoje em softwares como Foursquare, social bike e afins. Escrevi feito um louco várias idéias. Muahuhauhauha.

Logo após, tivemos a palestra da dupla de figuras “global” da Globo.com, Andrews Medina e Francisco Souza, ex-padawan da Giran. :) Eles fizeram uma brincadeira com os 12 trabalhos de Hercules, fazendo 4 (para começar) trabalhos com Pythons, cada um dentro de um expectro de solução diferente. Tivemos aplicações web, para Android, um mapeador de pontos de acesso e um jogo. Um verdadeiro overview de que o Python é capaz.

Depois de um coffee break rolou uma introdução ao TDD pelo Erich Egert, da nossa estimada parceira Caelum. Depois de um dia inteiro falando sobre TDD, BDD, finalmente quem não sabia do assunto teve oportunidade de ver na prática como é desenvolver usando TDD. Salvo o número de tweets reclamando que TDD em Java era dificil de entender, a palestra foi bem bacana e acho que quem conseguiu abstrair o conceito levou uma boa bagagem de um profissional altamente indicado para falar de algo assim.

Estava morto e cansado já no final e depois dessa palestra parti para hotel para descansar e me preparar par ao #horaextra. O pessoal se juntou após o evento pra tomar algumas cervejas e comer algo. É um momento de iteração raro que gostaria muito de ver em Vitória após os eventos. Acredito que a proximidade como Shopping ajudou bastante.

Aliás, o twitter BOMBOU com a hashtag #devincachu. A quantidade de twittadas foi impressionante assim como as brincadeiras contextuais com o pessoal que ficava dormindo durante o evento. hahahaha massa.

Pra fechar, duas coisas muito importantes que contribuiram muito para um evento memorável.

A organização foi impecável. Ver as pessoas se matando pra fazer o melhor evento da melhor forma possível com paixão pelo que se gosta de fazer nos olhos foi iradasso. Meus sinceros parabéns à trupe:

Vocês colocaram a faca nos dentes, foram pra luta e venceram. À vocês, as batatas. :)

Outro ponto foi a posição estratégica e empolgação do pessoal de fora. Gente de vários municípios vizinhos e até um pouco mais longe, como Campos, marcaram presença em peso no evento. Cachoeiro se mostrou, dessa forma, o lugar ideal e propício para muito mais eventos como esse. :)

Enfim …

O Dev in Cachu foi f*da. Como pessoa fico orgulhoso por ver o pessoal mandando tão bem, e como empresa, falando pela Giran, foi um prazer ser patrocinador desse grande evento que teve presença até o Prefeito da Cidade. :)

E que venha o próximo.