[offtopic] Penne da Mama à la Hackinatelli

Aloha amigos,

Começando com a sessão offtopics … bom, não vivemos só de tecnologia, programação, nerdisses e coisas do tipo. Temos um pouco de humanidade e o que dizem por ai que as “pessoas normais” tem. A gente sai, vê filme, toma sorvete, passeia e por ai vai.

Como no Spolleto a tempos mas hoje consegui fazer uma combinação de toppings (os ingredientes que você pode pedir) muito boa: para quem nunca comeu, o prato tem um custo bacana (R$ 14,90 em média) e você pode escolher a massa, o molho e os ingredientes. Então lá vai:

Penne da Mama à la Hackinatelli

  • Molho: Rose
  • Manteiga para preparar os toppings
  • 2 bacons (peça ele alternado porque eles costumam botar menos quando é seguido hahaha)
  • Alcaparras
  • Calabresa
  • Peito de peru
  • Azeitona Preta
  • Alho
  • Gorgonzola
  • Mussarela de Bufala
  • Ovo de Codorna

E …. voilà! Bon Appetit! :)

From PHP to Rails (5 meses depois)

Salve pessoal,

A algum tempo decidi migrar do PHP para o Rails e desde então não tenho feito nada relacionado à PHP e me dedicado exclusivamente ao estudo e trabalho com Ruby on Rails. Os motivos eu expliquei bem e quase 6 meses depois eu acho que já posso dar uma explanada boa do que vem sendo meu cotidiano de projetos e experiências com a ferramenta.

Linguagem Ruby

O Ruby é uma linguagem fantástica: o Rails se aproveita muito bem de todas as capacidades e liberdades (as vezes até libertinagens) dela para fazer magia com algumas coisas. É muito impressionante você sair de uma linguagem estritamente movida basicamente à funções e classes para uma linguagem mutiparadigma que te deixa programar de várias formas diferentes.

A adaptação é bem custosa para quem está acostumado com o PHP mas vale muito a pena. Existem coisas como essa abaixo que realmente te deixam feliz.

1
2
3
10.times {
|i| puts i
}

A principalmente dificuldade que acredito que se encontra é realmente essa cara da maioria das coisas do Ruby que se tem que se acostumar a ler e interpretar. Mas depois que se começa a aprender é ótimo.

Gerenciador de pacotes Ruby Gems

Hoje em dia, a maioria das linguagens legais tem seus repositórios de bibliotecas. No PHP usei bastante o PEAR e algumas coisas do PHPClasses. No Ruby extendemos seu poder com o uso de gems e estas tem uma maneira muito legal de rastrear dependências e tudo mais através de um comando muito simplista:

gem install pacote_magico_ou_arquivo_da_gem

Ao contrário do PEAR que exige configurações e alguma coisas que um mortal as vezes não consegue se virar, o comando gem é muito simples e efetivo. Ele com certeza é a coisa mais legal desde o APT-GET. :) Vale avisar que se você seguiu a instalação padrão do rails, ele buscará sempre as coisas do rubygems.org que é o repositório padrão de gems.

O rubygems.org hoje tem trocentas bilhões de gems que ajudam um monte a desenvolver e não re-inventar a roda. :)

A framework Rails

Apesar das trocentas framerworks que temos para o PHP, poucas são realmente maduras como o CodeIgniter (de todas a melhor hoje em dia na minha opinião), CakePHP, Zend, Prado, Symfony e por ai vai. A comunidade Ruby se concentra MUITO em usar e divulgar o Rails, framework que transformou o Ruby num hipe louco de uma hora pra outra.

Todavia, o merecimento é mais que merecido: o Rails desde a versão 2 é uma framework que vai direto ao ponto e permite uma produtividade incrível e se aproveita muito da questão do uso de convenções para ficar ainda mais rápido.

Já trabalhei com frameworks em várias linguagens e posso afirmar que sentir-se à vontade no Rails é uma questão de dias e o vislumbre vem em semanas. Existe CLARO suas “limitações”: entre aspas pois na verdade dentro do escopo de propósito do Rails você as vezes tem que sair das convenções e isso tem seu preço.

A maturidade da framework é outro ponto muito bom: muito conceito e forma de fazer as coisas estão muito bem resolvidas. Ela utiliza uma conjunto muito legal de gems para deixar a framework pronta para subir e meter fogo sem necessitar de bibliotecas adicionais. É instalar, criar o projeto e sair codando e pendurando as gems adicionais SE precisar.

A parte chata (que não é um problema exclusivo dela) é a documentação: existe muita informação pulverizada e espalhada que as vezes você tem que garimpar e testar muito. Ao menos fica o aprendizado no final.

Testes, RSpec e Capybara

O próprio PHP tem uma mania de escrever rápido e ir debugando: conheço pouquíssimas pessoas que trabalham com testes no PHP e a ida para o Rails me deixou ainda mais confiante que sem teste não dá de jeito nenhum. Talvez isso seja mais uma coisa de cultura da comunidade, mas as ferramentas também não ajudam muito.

Um dos pontos que mais me deu desgosto no PHP era a forma precária como as frameworks trabalhavam com testes. Na Giran, tentamos no CakePHP, tentamos no CodeIgniter e já estavamos até fazendo nossos próprios forks e remendos pra conseguir rodar bem os testes unitários, funcionais e de aceitação. Tudo isso com aquela pergunta “Putz cara, será que isso é realmente necessário?”.

O Rails se integra de uma forma perfeita ao RSpec, uma ferramenta brutal de testes, nos permitindo escrever nossos testes de uma forma muito mais legível. A integração feita entre os dois é poderosa o bastante pra tornar a prática de escrever testes uma coisa muito mais natural e legal de ser feita. Isso no PHP estava se tornando algo MUITO dolorido e custoso, coisa que não é nem de longe nosso objetivo ao programar.

Outro lance legal é o Capybara, que permite escrever os testes funcionais bem rápido também. Estamos fazendo coisas nele e gostando dos resultados. É simplesmente impressionante como a cobertura de testes da aplicação está melhor.

Um programador melhor

O mais legal desse tempo é que sem dúvida me tornei um programador melhor. Você começa a ver as coisas com um pouco mais de calma, consegue estudar melhor as aplicações, se preocupa mais com a arquitetura e vem nisso um monte de novas coisas legais para estudar que acabam te levando de volta àquele sentido gostoso de querer saber mais e mais.

Fazia um tempo bom desde que não sentia isso e pensei que que seria algo só no inicio dos estudos do Rails: 5 meses depois cá estou eu lendo mais e mais pra descobrir as sutilezas do Ruby e coisas legais de se fazer no Rails. :)

Então tá tudo perfeito?

Foram 5 meses de muito aprendizado e coisa bacana, mas nesses 5 meses nem tudo foram flores.

  • a adaptação pro Ruby para quem vem de outras linguagens não é muito fácil, embora muito excitante
  • a documentação do Rails não é tão vasta: se rala muito para saber os N jeitos de se resolver as coisas
  • inexiste comunidade Ruby no ES (estamos pensando muito em juntar quem sabe aqui no ES e começar uma)
  • sair da “convenção” do Rails as vezes é bem complexo

E é isso: tem muita coisa nesse meio que vou escrevendo daqui pra frente nas descobertas que for fazendo na Giran com os brothers do time … novos railers que estão devorando livros e livros comigo. :)

Simbora.