Adeus lâminas e espuma de barbear

arbeador HQ6990

Afinal, não é apenas da tecnologia para desenvolvimento e coisas do tipo que vive um nerd assumidamente consumista (materialista jamais, embora infelizmente seria bom ser um pouco algumas vezes com certas coisas).

Tava folheando um daqueles folhetos de jornal e vi um tal de barbeador Philips HQ 6920 com um preço bem bacana, já que o último que tinha visto tava bem salgadin. O D-us Google me deu uma revelação e consegui ver vários videos no Youtube. O bixo parecia bacana para o preço: barbear rente, recarregável, portátil e fácil de limpar.

Paguei pra ver: na verdade levei um HQ6990, que recarrega em bem menos tempo (1 hora apenas) e e um pouco maior que o seu irmão de linha. Fiz o test drive e … MUITO F*DA! :)

Já tinha experimentado outros 3, mas esse reamente não ferrou minha pele toda e realmente deixou a pele bem lisa. Espero estar dando adeus a lixa que meu rosto ficava algumas horas após o barbear. Vou doar meu Mach3 pra patroa e vâmo simbora.

Abraceta.

GAudi, Ubiquity, Google, Mozilla … e a dominação do mundo.

Hi nice people, :)

O título parece meio psyco mas é um insight que tive ao ver o GAudi (apelido para Google Audio Indexing) funfando e lendo hoje um pouco disso novamente na Info.

Vamos por partes: os caras já tem o buscador mais fdp, indexando não ainda da forma perfeita que gostaria, mas dando um poder quase infinito de busca textual possível. A busca de textos e termos EM VÍDEOS agora abre a questão de até onde vamos poder buscar o que desejamos de forma tão transparente. E claro, como vamos organizar isso de uma forma otimizada e agradável sem toneladas de informação.

É claro que isso vai passar a ser feito depois que passamos nossos videos de vários formatos pela “caixa surpresa” do Youtube, que tranforma o bixudo em FLV e aí deve-se iniciar a mágica. Mas se hoje os vídeos são quase uma totalidade na mídia de comunicação depois do texto puro em página, e Youtube é talvez o maior nesse mundo, imagina a destruição que isso nos dará com uma tecnologia dessa portável para todas as outras mídias: pdfs, swfs do Flash, processadores de reconhecimento de objetos e faces em imagens …

Acho que o passo de pesquisa de termos em vídeos aliada a essa massificação da banda larga e novas tecnologias que prometem aumenta-la cada vez mais para o povo em geral, vai ser o pulo do gato para o que ando vendo ser uma tendência real, mas ainda um pouco utópica em questão de viabilidade técnica: navegadores mais semânticos movidos a ações simples como “me mostre como está o dia em Guarapari, no Espírito Santo”, que serão decompostos em vários filtros e comandos para obtenção de um resultado comum e aproveitável.

Conseguiu chegar lá? Se não conseguiu, dê uma olhada no vídeo do Aurora, um navegador-conceito (sim, como aqueles carros conceito doidões que andam movidos a energia solar e coisas do tipo) da Mozilla criado pela Adaptive Path (para quem não sabe, os caras que bombaram a web com o termo Ajax) cuja navegação ilustra “uma possibilidade da futura experiência do usuário na web”. Antes de bonito, interessante e legal é simplesmente embasbacante imaginar que uma forma de navegação dessa pode estar muito mais próxima do que imaginamos.

Se o mundo pirou com o Google Earth (e depois com suas Street Views), o Google Maps e afins … imagino quando um browser dessa magnitude chegar ao público, mesmo que bugado. oO

Por esses dias baixei o Ubiquity, um puta pluguin para FF que é movido por comandos que se aproximam do “mais humanamente possível” ou seja … você dá comandos do tipo “email to leohackin@mail.com” e ele ja abre o Gmail com o endereço do cara preenchido e tudo! E o melhor: ele tem uma interface de programação de novas funções movidas a JS e portáveis!!!

De email a traduções via BabelFish, o Ubiquity é um playground de mashups brutalíssimo e que ja dá o tom do que o Aurora pode ser futuramente: uma plataforma movida a mashups customizável com possibilidades infinitas de integração de conteúdo e funcionalidades. Ou seja: o nirvana moderno da navegação na internet.

É rapaz … deixe a mente vagar …………………. :)

Até a próxima. E a internet somos nozes!

"Bolo" no ENCASOFT 2008

Salve pessoal!

É com prazer que informo que recebi um convite para ministrar uma palestra de PHP no Encasoft 2008. :)

O Encasoft (Encontro Capixaba de Software Livre) está chegando em sua quarta edição com esse evento de 2008 e acredito que será tão bacana quanto os anteriores. Organizado pelo grupo Linux-ES,  o evento oferece, entre palestras e mini-cursos, um Install Fest de software livre durante todo o evento, que irá do dia 10 (dia mais voltado para o povo corporativo) ao dia 11 (para o povo em geral) de outubro.

Vou estar ministrando uma palestra introdutória sobre o CakePHP, uma framework MVC para PHP muito difundida na comunidade e com uma curva de aprendizado bem bacana para o poder que ela bota nas mãos do programador.

Meus agracedimentos ao Almir Mendes (http://www.almirmendes.net/blog/) pelo convite e o grande irmão  Paulo César Jeveaux (http://www.jeveaux.com) pela indicação.

E vamo simbora.

P.S.: o Chrome não funfa ainda no Mac e por isso nem posso falar muito sobre ele, mas gostei apesar das limitações. E desenvolver no DashCode para iPhone está mais divertido que desenvolver pro Android.

Google Chrome! Será o fim do Firefox ?

Google Chrome

Todo mundo sabe que o Google vai dominar o mundo um dia: ele já faz uma receita brutal com seu AdWords, encanta e deixa pasma a sociedade com o Google Earth, virou uma mão na roda e ainda tem muito o que conquistar e inventar com o Google Maps, mudou nossa concepção de leitura de e-mails com as conversations do Gmail, arrebanhou em hora oportuna o Writely para fazer seu Google Docs, brutalizou a sociedade (ao menos brasileira) com o Orkut (nem vou botar o link porque até a mamãe sabe entrar nele hahahaha) e agora está até no celular, com o seu projeto Android. Isso sem contar os N projetos do Google Labs, que não listei aqui e são interessantíssemos.

Já era de tempos que ouvia falar que a Google também tentaria destronar o domínio da Micro$oft no mercado de browsers, botando abaixo a onipresença do caricato Internet Explorer. Eu andava apostando que a Google não iria fazer nada disso e continua dando moral e ajudando o projeto Mozilla, para bombar de vez o uso do Firefox que atualmente não tem apresenta sombra de dúvidas em ser o melhor browser da atualidade (tirando os picos de uso de memória que ele dá de vez em quando).

Ontem li uma matéria onde mostrava-se um conjunto de ilustrações, como uma HQ, do que seria o novo browser da Google: o Google Chrome. Os desenhos eram bem feitos, os conceitos mostrados e explicados bem sacados e tudo muito coeso para ser um simples mockup de um fã boy desvairado (e brilhante se fosse o caso).

Hoje, a Google abre as pernas e anuncia oficialmente: o Google Chrome está sendo lançado e vai ser disponibilizado amanhã (ou hoje, já que o anúncio é do dia primeiro de setembro) em mais de 100 países em Beta para a negada se matar de usar. A parte FELIZ da coisa é que vocês conhecem bem o sentido de “beta” dos produtos da Google: se repararem bem, o Gmail é beta até hoje, desde que entrou no ar. AHE UHAE UHAE HAE AE e

Entre algumas coisas interessantes que eu li, estão:

  • Uso do Webkit (que é usado hoje no Safari, então esperem um tiro no acesso)
  • Isolamento de cada aba como um processo a parte (ou seja, se der pau em uma delas, o browser não fecha e mantém o resto das páginas intactas)
  • um máquina virtual (JVM) para javascript (Uauuuuuuuuu!)

O restante deve seguir o padrão Google de “simplicidade”. Aliás, se vocês estiverem curiosos em ver a cara do dito cujo, a Macmagazine já vazou algumas screenshots do Chrome.

O post oficial do anúnicio do brower você confere aqui. Nele, vocês tem o link para acesso ao HQ.

Vamo simbora! E será o fim do FF ? Eu acho que não. :)